TEOLOGIA DA DESCONSTRUÇÃO 2 – os primeiros desdobramentos da tal afirmação

Na minha caminhada de vida e de fé percebo que volta e meia surgem alguns acontecimentos que carregam consigo uma força incrível que tem o poder de mudar a vida, e esta fala foi uma delas. Ouvir uma expressão desta pode, se apenas estivermos gastando tempo em nossa existência, não ter efetividade alguma. Porém, se vivemos o momento de fato e não simplesmente passamos por ele, se torna nitroglicerina pura. E aquele era um momento especial que eu não queria deixar nada passar em vão.

Não sei se vocês que estão acompanhando estas leituras perceberam o conteúdo bombástico desta expressão. “Nós estamos no inicio da interpretação do cristianismo” . O primeiro desdobramento após ouvir esta fala foi a negativa e a rejeição comum a tudo que nos parece uma novidade. Ainda mais se esta novidade coloca em risco a estabilidade em que as coisas estão latentes.

A zona de conforto é muito tentadora a qualquer um de nós humanos. O morno é algo que nos relaxa, a coluna do meio é a mais segura e a segurança tem se tornado um deus em nossa sociedade moderna, diante de quem estamos dispostos a sacrificar a verdade, nossa liberdade e, conseqüentemente, nossa própria vida.

As pessoas sem aperceberem estão gritando com sua forma de entender a vida, a seguinte expressão:

– Dá-me um emprego estável que eu sacrifico meu sonho de ser poeta para morrer uma existência numa repartição publica.

– Voto em quem me garantir mais tranqüilidade e abro mão de minhas convicções pessoais.

– Sim! – dizemos – Estou disposto a deixar de viver a minha vida para viver a vida que o deusinho distribuidor de tranquilidade e segurança me impor. Abraçarei o estilo de vida fake, renomeado como politicamente correto, em busca da bênção da segurança e estabilidade.

Os maus entendedores me acusarão de denegrir a imagens dos “concurseiros”, mas o que estou dizendo é algo muito mais profundo: estou replicando a fala de meu Senhor que diz: “Que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma.”

Faça o concurso que quiser, seja o que Jesus pagou o preço para você poder ser, mas não aceite em momento algum que ponham preço em sua alma. E eu não estou aqui dizendo de morrer e ir pra o inferno. Estou falando de chão da história, chão em que o Amor se sacrificou para que diante deste sacrifício eu e você pudéssemos entender que nossa alma vale mais que o mundo inteiro. E ele fez isto para que pudéssemos ser de verdade, sermos íntegros, inteiros; confiando sempre no amor do Amor que nos disse que o morno lhe causa náuseas.

SplitShire-2257

Depois deste parêntese gostaria de enfatizar que este amor de Deus foi a razão pela qual resolvi arriscar tudo aquilo que estava arrumadinho nas prateleiras de minha mente. Sendo assim, não poderia ignorar a afirmação do Dr. Purin, mesmo percebendo que ela poderia fazer cair por terra todos os meus arquivos bem ajustados na minha mente, bem como todas a minhas certezas até então em relação a minha fé e em relação a Deus.

Sendo assim, manifestei o argumento mais óbvio, como celebração de minha rasura intelectual e existencial da qual, por mais que tente, não consigo fugir. E disparei:

– Como assim? Como é possível depois de quase dois mil anos de interpretação do cristianismo alguém distante dos fatos fazer uma afirmação deste tipo?

Parecia-me um tanto pretensiosa tal afirmação, mas resolvi atrever-me por este caminho.

Quem sabe caiba aqui uma advertência? Será que você está disposto a colocar em risco seu conforto e status quo. Se este não for seu caso, melhor continuar na segurança do mundo Matrix da religião, mesmo que ela seja feito de ilusões e não prosseguir com a leitura. Porém, se dentro de seu peito, no que diz respeito a sua vida com Deus e sua fé, parece que algo não faz sentido, siga em frente.

Eu digo que vale a pena saber a diferença brutal – e ontológica – que existe entre a religião e o evangelho, entre o Pai nosso e o patrão nosso.

Penso não ser possível viver com este incômodo, tendo em vista que tudo a sua volta parece ser um teatro mal ensaiado desprovido de vida onde os atores parecem de cera e você tem aquela sensação de que estão chamando a mal de bem. O pior é que você começou a achar isto normal e se acostumar com isto. O caso é grave, não resta outra alternativa, é hora de tomar coragem e continuar caminhando.

Mesmo que pese sobre você aquela sensação de medo, isto é natural. Afinal de contas, quem discursa sobre Deus tem a aprovação da maioria e em tese a aprovação do próprio Deus, portanto é difícil contrariar. A vida já está tão difícil que tudo o que você menos deseja neste momento é se indispor com alguém e muito menos desagradar um Deus que pode complicar ainda mais a sua vida e sua caminhada para o céu, que nada mais do que um lugar sem perrengue depois da morte.

Mas, segundo o Amor, tentar salvar a sua vida neste caso, como já foi dito, é perdê-la. Sigamos o caminho da desconstrução n’Aquele que nos desconstrói na cruz, a fim de nos fazer novos na ressurreição. Continua.

Alexandre.

Uma resposta para “TEOLOGIA DA DESCONSTRUÇÃO 2 – os primeiros desdobramentos da tal afirmação

  1. São apenas 2000 anos tentando compreender, com nossa limitadíssima capacidade, as insondáveis riquezas do nosso Senhor. Estamos, de fato, no inicio da interpretação do cristianismo.
    Talvez a eternidade não seja suficiente para conhecer o Amor de forma plena.
    Que o Senhor continue fazendo de você esse grande meio de comunicação das boas novas.
    Um grande abraço e até domingo, se Deus quiser.

Caso queira comentar, esta é a hora!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s